Medidas paliativas para um mundo melhor

Não, não separem o Brasil

É sério.

No texto anterior eu mostrei que a solução perfeita para o Brasil seria nos separarmos em mini-brasis. Era brincadeira, vocês sabem. Há motivos de sobra para a gente ficar juntinho que nem chiclete e sola de sapato.

Vocês podem até dizer que o Espirito Santo não produz nada de útil para a região sudeste ou até mesmo para o Brasil, mas cometem um ledo engano. Pode até parecer um detalhe tão pequeno de nós dois, mas é de lá que surgiu o Rei, o mito, o mais novo ilustre ex-vegetariano: Rei Roberto Carlos.
Sim, ele. Ele que botou Santos no mapa (ou vocês achavam que era o Pelé?), teve um sósia (na verdade vários), foi terrível, rebelde e romântico.
Roberto Carlos, ou Beto para os íntimos (por isso vamos chama-lo de Roberto Carlos), embalou diversos bailes, cantou em espanhol, italiano, inglês e o caralho a quatro. Marca presença todo final de ano na sua casa que eu sei e ainda arranca suspiro de muita gente.
Tal fenômeno só poderia ter saído do Espirito Santo Amém.

 Tenho um coração, dividido entre a esperança e a razão. Tenho um coração, bem melhor que não tivera.

A citação acima, que poderia ser atribuída a inúmeros poetas românticos ingleses  é na verdade oriunda da mais pura brasilidade. Do Ceará, que vocês tanto querem deixar de lado, veio não só meu avô mas também um dos maiores poetas incompreendidos desse globo terrestre: Fagner. É, com F mesmo.
Fagner foi pioneiro no sexo submerso e cometeu alguns deslizes, mas quem não comete?
Fagner é considerado o artista mais influente do Ceará e porque não, da minha vida.
Dizem e eu concordo: No Ceará, gente ruim não há.

Indo lá pra Pernambuco (leia com sotaque de lá que fica melhor) temos Romero Britto. Mas também temos coisa para se orgulhar, como: Lenine, Luiz Gonzaga, Paulo Freire, Chico Science, Nelson Rodrigues e tantos outros (a lista é realmente enorme). Além disso Recife produz sempre a melhor safra do cinema nacional. Sem contar as praias que você vê na novela e nunca vai poder ir.
O estado é tão bom, tão foda, tão bom mais uma vez, que Clarice Lispector (que você tanto compartilha frase no facebook), nascida na Ucrânia, fazia questão de se declarar como Pernambucana. Dizem as boas línguas que ela era muito boa no frevo.
E vocês querendo que Pernambuco fizesse parte de um outro Brasil.

Não vou nem falar dos outros estados pois acho que já reuni argumentos o suficiente para provar que se o Brasil fosse dividido em diversas partes, você meu caro amigo, não poderia estufar o peito de orgulho e gritar a plenos pulmões:
Pau que nasce torto nunca se endireita!

 

Padrão
Medidas paliativas para um mundo melhor

Ilha

Depois de muito refletir sobre a ideia, tive que concordar: Vamos nos dividir em vários Brasis.
E por que não concordaria?
O Norte e o Nordeste se juntam e formam o “Brasil N” (Podem ficar com o Espirito Santo, por favor), São Paulo, Minas, Rio e o estados do Sul se juntariam e fariam o “Brasil S”.
O Centro-oeste forma o “Brasil C”.
Bom, aí todos os nossos problemas estão resolvidos.
Até descobrirmos que Minas não anda muito bem das pernas, aí a gente exclui ela do nosso Brasil. Vai ser melhor pra ela, vai ser melhor pra nós também.

E se os outros estados começarem a ir mal também? Não tem problema, cada um vai pro seu canto. Sem ressentimentos. São Paulo só precisa de São Paulo.
Antes que tenhamos qualquer problema a gente se livra do interior e da zona leste. Uma lástima, mas necessário.

Depois disso vai ficar tudo mais fácil, vamos separar nossos brasis por bairros, depois casas e, finalmente, o último estagio: vamos nos separar uns dos outros e viver cada um o seu próprio Brasil.

Vai ser bem melhor assim, eu garanto. Tenho plena certeza de que separados uns dos outros iremos nos fortalecer e resolver todos os nossos problemas.

Viva o Brasil! O meu, lógico.

Padrão
Medidas paliativas para um mundo melhor

Sentidos

Depois de algumas tentativas de eleger um novo sentido para os seres humanos através dos dramas e filmes de ficção cientifica, decidimos em vida real que era hora de parar de usar alguns deles. Talvez com a intenção de nos poupar energia e usá-la de maneira mais eficaz, ou quem sabe seja por pura preguiça mesmo.

Deixar de usar é um termo meio dramático demais. Eu poderia recolocar dizendo que na verdade estamos usando menos e de maneira diferente.
A superfície irregular das costas de nossos amigos que sentimos ao abracá-los, foi trocada por uma superfície plana de vidro. As batidas do coração que sentíamos vindo com intensidade do outro lado, tornaram-se vibrações mecanizadas.

Foi se o tato que de fato sentia alguma coisa. Já não sentimos mais odores e perfumes de farmácia. Nos limitamos a uma tonelada de informações visuais e auditivas que, diariamente, não transmitem nenhum tipo de emoção.

Caminhamos a passos largos para grandes inovações tecnológicas, mas estamos com cada vez mais dificuldade de dar pequenos passos para ver quem a gente gosta.

Padrão
Mesa

Mesa VII

Peguei uma folha de papel do caderno em cima da mesa e com nove passos, fiz um barco de papel.
Hoje, a água toma conta desse barquinho e ele está afundando aos poucos. Apesar de você dizer que não, eu sei que está. Olha essa água entrando pelo convés. Convêm acreditar, que com alguns ajustes ele dure mais um pouco.
Mas está afundando, eu sei.

Padrão
Crônicas

À direita é o melhor lugar

Uma das maiores dúvidas de quem vai trabalhar de ônibus todos os dias, é saber em qual dos lados o sol “bate”.
Eu, que pego dois ônibus todos os dias (dois para ir e dois para voltar), vi logo que era do lado esquerdo que o sol ficava. Por isso declaro com veemência que só sento à direita.

Tenho o privilégio de escolher onde quero sentar todos os dias, pois moro perto do ponto final. Assim, regojizo diariamente de sombra e às vezes água fresca. Os outros que sentem-se ao sol escaldante que antecede a labuta diária.
Morar perto do ponto final está para a prole como nascer filho do dono de uma empresa está para a burguesia.
É um conforto paliativo diário – encosto a cabeça na janela do ônibus e durmo. Qualquer possibilidade de sol é tampada pelas pessoas que estão de pé, elas são parte integrante do meu conforto.
Dirão alguns que eu deveria me preocupar mais com as pessoas que estão do outro lado, à esquerda. Ora, se eles não tiveram o privilégio que eu tive, azar o deles. Do meu banco não saio nem para dar lugar a idoso.
Este lugar foi dado a mim e nele ficarei até a morte. Me deixem dormir, não quero pensar que hora ou outra posso ficar sem meu lugar à direita, muito menos na possibilidade do sol começar a bater aqui também.

Padrão
Crônicas, Senta que lá vem história

Chocolate

Aos 17 anos, eu descobri que stripper – dessas que vão até sua casa fazer show, era coisa de filmes como American Pie. Pelo menos isso é o que pareceu depois de algumas horas de busca na internet e nenhum resultado confiável. Você tem que ficar esperto quando está buscando essas coisas, tem que ter certeza da procedência da prestadora do serviço ou pode acabar sem alguns dentes se não achar algo que seja correto. Ou pior, acabar com um traveco na sua casa.
O Henrique ia fazer 17 anos em breve e a gente queria fazer uma surpresa para ele, mas depois de tanta procura e nenhum resultado, decidi que ia deixar de lado essa história. Até porque, no final das contas, nem teríamos grana para pagar uma stripper mesmo.

No final de semana que era aniversário dele, minha mãe foi viajar para Cotia. Com a casa livre, Pedro e eu decidimos que faríamos uma “Noite dos bons drink”(sic) e o homenageado seria o Henrique. Com direito a uma garrafa de vodka… e só.
Ninguém pensou em chamar garotas, porque a gente sabia que no final das contas garota nenhuma viria.
Então a festa, se é que se pode chamar disso, seria somente nós três.

Pedro e eu fomos ao supermercado e compramos a vodka, acho que era uma Smirnoff. No caixa o Pedro com medo que pedissem nosso RG, fez uma falsa ligação para o pai falando alguma coisa sobre o carro dele, carro esse que de fato não existia. O que ele não sabia é que eu tinha ido naquele supermercado justamente por que ninguém se importa se você tem 15 ou 18 anos, se vai entrar em como alcoólico ou até mesmo sair matando as pessoas, eles querem vender e ponto.
De qualquer forma saímos aliviados com a vodka para casa, nos vangloriando de como parecíamos adultos, apesar de na época não termo um resquício de bigode na cara.

O Henrique chegou um pouco depois de colocarmos a vodka no congelador. Ligou seu computador no meu home theater e começou a tocar algumas músicas eletrônicas estranhas. O Henrique sempre curtiu esse lance de ser DJ, fez até curso fora da cidade, mas não vingou.
A gente começou a dançar como se a música fosse mesmo animada.
Depois de um tempo, o Pedro decidiu que já estava na hora de tirar a vodka da geladeira para preparar alguma coisa.
Minha geladeira estava que nem boate, só havia fumaça e água. Por sorte achamos uns limões perdidos.
- Se Deus te der limões… faça uma caipirinha. Disse um de nós três.

Ia ser o nosso primeiro porre, ou pelo menos ia ser o meu primeiro porre. Eu sempre tive uma aversão muito grande com bebidas e principalmente com o fato de ficar bêbado, mas naquela noite eu estava meio que no foda-se.
A bebida ficou pronta e, apesar do gosto amargo, até que estava tragável.
Me senti incrível que mesmo depois de uns dois copos, eu ainda me mantinha sóbrio. Só que eu não queria parar por ali, na verdade ninguém queria.
Quando acabou o limão, a gente nem se importou muito. Afinal, vodka pura não deve ser tão ruim assim, os russos tomam todo dia antes de ir dormir.

Só fui perceber que já estava bem bêbado, quando em um momento da noite eu vi que havia pão de queijo no forno. Assado. Como ele foi parar lá? Quem assou? Um mistério maior que esse mistério.
O Pedro já estava bastante alterado, ou se fingia de, pois pegou alguns pães de queijo e começou a tacar na gente. O que pareceu ser divertido no começo ficou meio chato depois.
Eu já estava cambaleando pelos sofás e o Henrique tocando freneticamente como quem toca no XXXperience. Mas aquela noite parecia não ter fim.
Você perde a noção de tudo quando se está bêbado. Tempo e espaço se misturam de um jeito que parece que você está em um buraco de minhoca.

Dois dias antes, minha mãe havia comprado um mamão bem grande. Ela dizia que ia fazer alguma sobremesa com ele.
Bem, eu não consegui pensar em sobremesa nenhuma quando o Pedro ergueu o mamão acima da cabeça e gritou “EU JOGO VÔLEI” e bateu no mamão como se fosse uma raquete na minha direção. Meus reflexos estavam tão rápidos que eu só levantei as mãos para parar aquele mamão quando ele já havia acertado meu peito. O Pedro realmente jogava vôlei, eu também. Mas não me lembrei disso.
Cai no sofá e comecei a dar risada daquilo. Ficar bêbado era de fato muito estranho.

Puxamos o Henrique para o meio da sala e começamos a rodar, os três gritando “Parabéns pro Henrique! Parabéns pro Henrique! Parabéns pro Henrique!”
A gente começou a chacoalhar a cabeça um do outro e depois exaustos, capotamos no sofá.

De início, a festa era para durar umas duas horas no máximo. Não sei por que eu achei isso, mas na minha cabeça estar bêbado era algo que pudesse ser controlado.
Às 1:00 da manhã, eu me dei conta de que minha mãe chegaria em poucas horas e a sala estava uma zona. Como quem está prestes a ser levado à forca, me bateu um desespero de que minha vida acabaria em breve, assim que aquele portão se abrisse e minha mãe visse aquela cena lastimável.
Corri para o chuveiro para tentar tirar o cheiro de vodka e tentar recuperar alguma sobriedade.

Enquanto tomava banho -e cantava Foo Fighters no banheiro, o Pedro anunciou uma catástrofe de menores proporções, mas nem por isso tão destrutiva quanto a principal: o pai do Henrique estaria ali dentro de alguns minutos para buscar ele. Nesse momento o Henrique estava deitado no sofá passando muito mal. Eu continuava no chuveiro, já estava quase incorporando o Dave Grohl (caso ele estivesse morto).
Buerghhhhhhh, Buerghhhhhhhhh foi o barulho que eu ouvi vindo da sala e logo após tive a confirmação que o Henrique havia vomitado.
Até eu sair do chuveiro definitivamente ele vomitou mais umas três vezes.

Eu continuava bêbado – e continuaria assim até o dia seguinte, quando fui ver o vômito do Henrique. Uma enorme poça marrom/preta que ia do sofá até o chão, com direito a respingos na parede.
Nunca vi ninguém vomitar tanto chocolate como naquele dia. Na verdade nunca vi ninguém vomitar tanto como ele naquele dia.
Atendemos a ligação do pai dele, que já havia ligado três vezes antes e ninguém atendera.
Ele estava na padaria há uns 10 minutos de casa. Se bem que naquelas condições a gente sabia que ia demorar uma década para levar ele até lá.
Mas como soldados em uma missão, extraímos nossas últimas forças e saímos em marcha até a padaria.

A rua que leva até a padaria foi palco de uma outra cena ímpar. O Henrique, que há pouco já havia perdido o comando das suas necessidades fisiológicas (como se vomitar fosse uma) disse que precisava desesperadamente mijar.
Como estávamos no meio do caminho, não havia chances de voltarmos para casa, seria um esforço grande demais que não estávamos despostos a enfrentar.
- Aqui não tem banheiro. Disse o Pedro para ele
- Tudo bem. Disse o Henrique em um tom tão calmo que me pareceu estranho, parecia que ele havia se entregado. E foi isso mesmo.
A gente entendeu o que aquele “tudo bem” significava. A perna do Henrique começou a ficar molhada repentinamente, até que tudo desceu pela canela.
Rimos da desgraça alheia, que era nossa desgraça também. Acho que nesse momento até eu mijei um pouco nas calças.

Quando chegamos na padaria, o pai do Henrique já se encontrava no carro com uma cara de poucos amigos. Eu preferi deixar essa bomba nas mãos do Pedro mesmo e nem me aproximei do carro.
Ele levou o Henrique até o carro, disse ao pai dele que ele havia comido alguns pães de queijo que não lhe fizeram bem. Fico me perguntando até hoje como o Pedro pode dizer uma coisa daquelas.
O pai do Henrique apenas abriu a porta do carro e depois foi embora.

Voltamos eu e o Pedro para casa, discutindo como faríamos para arrumar aquela bagunça toda e, principalmente o vômito.
Quando chegamos, peguei uns dois panos para tentar limpar a poça de chocolate estomacal. Não adiantava.
Lavei eles uma vez e tornei a passar sobre o vômito. Aquilo de fato não tinha fim.
O Pedro deu uma arrumada na pia e me lembrou de jogar a garrafa de vodka fora.
Seguramos eu e ele a ponta da garrafa, contamos até três e jogamos no terreno baldio ao lado, na esperança de que todos aqueles problemas, sujeiras e vômitos fossem juntos.

Sem forças para continuar limpando aquela gosma marrom, eu decretei que a gente precisava dormir.
Acho que quando a gente fechou os olhos a gente meio que morreu. Pelo menos por umas três horas, quando minha chegou e acendeu a luz do quarto, perguntando o que havia acontecido.
- Bebi. Respondi e morri novamente.

Quando acordamos o Pedro tratou logo de ir embora.
Eu me levantei e descobri que ressaca tinha algo a ver com estar muito zonzo, pálido e com sede. Felizmente não tinha dor de cabeça.
Fui para a sala, fiquei ali de pé contemplando todo o chocolate vomitado que ainda restava pela sala.

Padrão
Crônicas

Guarda-chuva

Você estava sentada de frente para sua amiga e eu encostei ali por perto.
Deixei minha mochila no chão e pendurei meu guarda-chuva na grade. O ônibus cheio de gente e de barulho.

Seu cabelo esculpido ao vento, seus olhos âmbar e o piercing no nariz. Nada disso chamava tanta atenção quanto o desenho da coruja gravada na pele do seu peito.
Eu tive certeza que pecado tinha alguma coisa a ver com aquilo.
Você curvada para sua amiga. Seu decote cada vez mais generoso.
Meus olhos percorrendo tudo aquilo, vendo sua tatuagem, a curva dos seus seios. Imaginei o resto que não estava a mostra.
Coloquei alguma música na esperança de que meu gosto musical chama-se sua atenção. Nada.

O ônibus chegou no ponto da faculdade, peguei minha mochila e desci, pensando se veria novamente, você, sua amiga e a coruja.

Só mais tarde, me dei conta de que havia deixado meu guarda-chuva no ônibus. Bosta.

Padrão