romance

Noites claras

Deito-me pois assim pedem as pernas. Não fecho os olhos, não fecho a mente.

O dia passa pesado sobre minha face, martela-me a mente. A boca se abre, e abre grande como um rosnado de leão, chega ao seu ápice e se mantém, depois volta.
Os olhos piscam pesados, forço-os a condição de abertos, mas não aguentaria por muito tempo.
Levanto e observo a noite clara. Espero que ela chegue logo. Olho o relógio, mais 20 minutos ainda.

Não é nenhum sacrifício, não é nenhum mártir, é um prazer espera-la todas as noites para saber que tudo foi bem e dizer que amanhã será melhor.

Anúncios
Padrão

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s