Sem categoria

Lisie – Adolescência

Lisie escrevia muitas cartas para o seu amigo no Sul, ela recebia cartas com certa frequência também, ao menos todos os dias de manhã ia pegar alguns papéis na caixa do correio.
Mas Lisie andava triste, depois que se separou de Amie, o seu amigo do Sul era a única pessoa que entendia a grande importância de se contar todas as barras de ferro da grade do Zoológico, ou o grande ato de se sentar em todos os bancos da praça. Apenas o seu querido amigo do sul entendia isso, as outras pessoas caçoavam dela.

Lisie se cortou pela primeira vez, quando em um certo dia 3 homens correram atrás dela no meio da rua, e ninguém fez nada para impedi-los. Lisie se escondeu em um beco e os despistou, mas a angústia de estar sozinha foi muito grande para ela.
Pegou a gilete da mãe e fez o primeiro corte no braço esquerdo, o sangue escorreu mas não chegou a pingar. A sensação era de alivio.

Em suas cartas ao amigo do Sul, ela não contava esse tipo de coisa, ele era mais um refúgio, assim como a gilete, então contava de suas bobeiras e aventuras.

Na carta de dezembro de 95, Lisie contou ao amigo do Sul sobre o homem que a mãe levou para conhecer.
Lisie não gostou muito do homem, o Dr. Carl. Ela o achou intrometido, perguntava sobre tudo, Amie, sobre os homens que correram atrás dela e até mesmo sobre amigo do Sul.
Lisie sentiu-se traída pela mãe.
Talvez a mãe fosse um deles.

Anúncios
Padrão

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s